FestFoto 2013 - 7ª edição

Preto e Branco

Ao expor para o resto do mundo os fundos de sua residência através de uma imagem captada em 1826 com um aparato químico/ótico, o francês Joseph Nicéphore Niépce “apenas” antecipou o debate que travamos até hoje sobre o real território da fotografia.

O “sentimento de fotografia” já se gestava em diversos pontos do mundo, aguardando apenas sua data de nascimento que poderia ter ocorrido oficialmente em qualquer lugar do mundo, inclusive no Brasil, como nos mostra Hercule Florence.

Longe de ser mecânico/ótico/químico, este “sentimento de fotografia” ganhou nome e identidade através dos trabalhos posteriores realizados por Fox Talbot e Louis Daguerre que colaboraram para fortalecer os contornos da subjetividade daquilo que nos acostumamos chamar de Fotografia. Tal qual a primeira golfada de ar que faz um recém-nascido exercitar seus músculos e expandir seus pulmões, a subjetividade é vital para dar vida e concretizar a Fotografia no “mundo real” e estabelecer sua vocação questionadora desta realidade. E, desde então, inúmeros fotógrafos e artistas se esforçam em ocupar o lugar da palmadinha no bumbum que dá início ao choro vital, ao grito primal da Fotografia. No gesto brusco que acende a centelha da criação.

Ao utilizar o instrumental de que dispunha na época Niépce captou uma imagem em tons de cinza e um olhar retrospectivo nos permite ver que ali se criou uma metáfora do drama desse nascimento. Em declaração recente, o artista português Fernando Lemos nos ensina que é no encontro do branco com o preto que reside o drama da fotografia. E é nesse território que acontece a chave reflexiva que opera a 7ª edição do FestFoto, na radicalidade dos contrastes sociais, culturais e políticos; na permanência ou escape da escala dos tons de cinza; na representação mimética ou na evocação do tempo possibilitada pelas novas tecnologias e seu impacto na própria linguagem fotográfica.

Partindo do campo científico, onde a “cozinha fotográfica” realiza as mágicas químicas e indo em direção a todos os caminhos possíveis da imaginação, o 7º FestFoto propõe à sociedade o “Preto e Branco” como tema para debater nossas realidades, subjetividades e resultados dos processos de criação artística.

Bem-vindos à 7ª Edição do FestFoto!